18 de abril, 2019

Agente da Transformação Social e Difusor do Conhecimento Científico

Chuva de Granizo

Quando o tempo fechou na cidade alemã de Munique, em 12 de julho de 1984, uma multidão correu para se proteger das pedras de gelo que caíam do céu. Não era para menos: conhecida como uma das mais violentas chuvas de granizo já registradas no planeta, a tempestade deixou centenas de árvores partidas, 70 mil telhados perfurados, 250 mil carros amassados, quase 400 pessoas feridas e um prejuízo superior a 1 bilhão de dólares! Mais recentemente, no final de julho deste ano, outra chuva de granizo matou 15 pessoas na China. Tamanho poder destruidor – estudado desde que o grego Aristóteles escreveu a obra Meteorologia, por volta de 340 a.C. – só ocorre quando o clima oferece condições muito específicas. A principal delas são as temidas nuvens de tempestades fortes, que, além de granizo e chuva forte, trazem também ventanias e relâmpagos de arrepiar.

Uma característica dessas nuvens é conter correntes de ar subindo e descendo a velocidades entre 50 e 100 quilômetros por hora. “O ar quente empurra para cima as gotinhas de água que formam a nuvem. Elas se chocam com outras partículas e vão aumentando de tamanho”, afirma a meteorologista Maria Assunção da Silva Dias, da Universidade de São Paulo (USP). Ao atingirem a altura aproximada de 5 quilômetros, onde a temperatura é abaixo de zero, essas gotas congelam e formam pequenas pedras, que tendem a cair. “Mas elas só conseguem atingir o solo se tiverem tamanho suficiente para vencer a força do ar quente que as impulsiona de volta para o alto “, diz outro meteorologista, Marcelo Seluchi, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em São José dos Campos, SP. Enquanto isso não acontece, elas continuam subindo e descendo dentro da nuvem, juntando-se a outras gotas de água e cristais de gelo. Quando ficam pesadas o suficiente para despencar, sai de baixo!

O pior caso conhecido ocorreu em Bangladesh, em 1986, quando pedregulhos de gelo de até 1 quilo mataram 92 pessoas. Felizmente, a maioria das pedras de granizo não supera o tamanho de uma ervilha – e muitas nem chegam ao solo. Se o tempo estiver quente, a pedrinha derrete na atmosfera e cai já como chuva.

Fonte: Mundo Estranho

CC BY 4.0 Chuva de Granizo by Jornalismo Colaborativo is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Sobre o Autor

Jornalismo Colaborativo

Principal site de Jornalismo Colaborativo, destaque no Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXIII / Prêmio Expocom 2016 e referência em startups de jornalismo na 300ª edição da Revista Imprensa em 2014.

OUTRAS PUBLICAÇÕES

Este site possui segurança certificada SiteLock

SiteLock