20 de abril, 2019

Agente da Transformação Social e Difusor do Conhecimento Científico

Quinze Dias em Setembro

O que pode acontecer em quinze dias? Em geral, muito pouco… Mas e se o mês for setembro, do ano de 2001? Aí sua vida – ou melhor, toda a história – pode fi car marcada para sempre! Fefê é um playboy paulistano. Donovan e Steinberg são investigadores do FBI. Amina é médica. Samira sonha em ser modelo. Mathew e Natalie são jornalistas. Hafez, Mohamed e Ibrahim são religiosos extremistas. O que todos têm em comum? Suas vidas se encontram por causa de um único evento: o ataque terrorista às Torres Gêmeas do World Trade Center. Escrito por Ryoki Inoue, Quinze dias em setembro transcorre simultaneamente em São Paulo e Nova York. Uma trama repleta de ação, suspense e reviravoltas… Surpreendente!(Companhia Editora Nacional – 422 páginas)

O que leitores dizem sobre a obra?

"“Estes, sim, precisavam enxergar que o mundo não tinha acabado e que a vida, como num espetáculo circense após a queda fatal da trapezista, teria de continuar.” (p. 313)  O caso é freqüente: muitos médicos abandonam a sua exaustiva e honrada profissão para tentar o reconhecimento como escritores. São vários os exemplos de personalidades que entraram nessa empreitada e conseguiram sucesso, como é o caso de Michael Crichton, Tess Gerritsen e Arthur Conan Doyle*. Todos esses ex-médicos conseguiram alavancar um grande número de leitores, e seus livros são bastante lidos inclusive no Brasil. Temos também os exemplos não tão famosos, como por exemplo o do brasileiro Ryoki Inoue, paulista formado em medicina que, desde 1986, deixou o estetoscópio de lado e pôs as mãos na máquina de escrever. Até agora, publicou mais de 1.000 livros, e é por esse feito impressionante que seu nome está no Guinness Book. Depois que eu descobri esse autor e soube desse detalhe, achei de boa política ler alguma coisa do escritor mais prolífico do mundo. Por que não? Será que ele tem qualidade, ou é só quantidade, mesmo?Escolhi um de seus romances mais famosos, Quinze dias em setembro (2008), e matei minha curiosidade. Sinopse: Fefê é um playboy paulistano. Donovan e Steinberg são investigadores do FBI. Amina é médica. Samira sonha em ser modelo. Mathew e Natalie são jornalistas. Hafez, Mohamed e Ibrahim são religiosos extremistas. O que todos têm em comum? Suas vidas se encontram por causa de um único evento: o ataque terrorista às Torres Gêmeas do World Trade Center. Com uma narrativa que transcorre simultaneamente em São Paulo e Nova York, Quinze dias em setembro possui uma trama repleta de ação, suspense e reviravoltas. Desde o começo, uma coisa fica clara: o livro deve ser tratado como um romance de puro entretenimento. A escrita de Inoue é objetiva, sem floreios sofisticados. No início a narrativa alterna trechos rápidos que focam em diferentes personagens, apresentando-os ao leitor. Logo no prólogo, fica um tom de mistério suspenso no ar, porque a história começa já avançada para o atentado às Torres Gêmeas, e o leitor fica sem entender as motivações dos personagens que estão sendo apresentados. Só depois, quando o primeiro capítulo começa, é que o tempo retrocede até o início de tudo. E, então, a história efetivamente começa. Logicamente, não é por ser um romance de puro entretenimento que o livro de Inoue é ruim. Pelo contrário, consegue prender bastante a atenção, principalmente da metade para nos capítulos finais. O problema, nesse caso, talvez esteja nos primeiros capítulos: fica a sensação de uma história que tem pouco a ver com a sinopse, que se arrasta. Além do mais, o personagem Fefê, principal protagonista no início, tem um caráter muito desagradável, e é duro ter que continuar a leitura sendo guiado só por esse jovem playboy imaturo. O segundo defeito sério do livro está na insistência do autor em utilizar a técnica de fazer os personagens verbalizarem explicitamente os seus pensamentos. São muitos os exemplos em que, no meio do texto, as aspas se abrem e o pensamento do personagem começa a ser destilado minuciosamente em primeira pessoa, o que é muito maçante na maioria das vezes. De repente, mesmo estando sozinho, alguém começa a murmurar consigo algo do tipo: “O que farei agora? Não posso deixar transparecer isso! Já sei! Vou fazer tal coisa, para que Fulano não pense mal de mim. Agirei assim e assim, e espero que nada dê errado…” Esse recurso muito usado por novelas estraga (bastante) uma boa parte da experiência da leitura, pelo menos na minha opinião. Nas novelas até que o recurso se justifica, já que elas não têm outro meio de deixar claro o que vai pela cabeça do personagem… mas em um livro? Bem, por mais que não pareça, eu garanto que, tirando esses dois defeitos (começo arrastado e a insistente “verbalização de pensamentos”), o livro consegue prender a atenção e ser bom. A trama intrincada e o submundo dos grandes milionários como João Antônio, aliados a falsidade ideológica e uma miríade de outros crimes, atrai e muito os admiradores de romances policiais. E, nesse caso, o romance de Ryoki tem sucesso e não desaponta. P1010031 Juro que só depois de bater a foto é que eu me dei conta da coincidência do avião no marcador Recomendo Quinze dias em setembro para quem quer uma leitura leve. Para quem não está a fim de quebrar a cabeça com conflitos psicológicos sérios, mas com intrigas policiais envolvendo o FBI, com direito a trapaças e dinheiro sujo. Nas mãos de Inoue, esses ingredientes de trama policial me entreteram muito. Por fim, eu queria dizer que o romance ganha pontos quando analisa criticamente o atentado do dia 11/09. Os personagens Natalie e Mathew, como jornalistas, discutem em muitos trechos as conseqüências do ataque terrorista para o mundo – conseqüências econômicas e políticas. Com essa análise, o “entretenimento” ganha um toque mais sofisticado, já que não usa o trágico acontecimento como mero fio condutor. * Conan Doyle abandonou a carreira de médico em 1891, quatro anos depois de ter escrito Um estudo em vermelho, primeira aventura de Sherlock Holmes.

Marlo Renan

artigosefemeros.blogspot.com

"Depois de tanto tempo, esse mês eu consegui ler algo relacionado ao Desafio Literário, todos comemoram rsrs Bem, antes de falar do livro eu quero dizer que é o primeiro livro que leio do autor Ryoki Inoue, e na orelha do livro diz que ele já publicou mais de mil livros, e seu nome está no Guinness Book como o homem que mais escreveu e publicou livros em todo o planeta. Uau! Quinze dias em setembro conta não uma, mas várias histórias que no decorrer da narrativa vai se entrelaçando. A história se passa simultaneamente entre São Paulo e Nova York. São vários personagens, e no início eu tive medo de me decepcionar, mas mesmo eu não tendo amado , eu gostei do livro, achei a história bem contada e bem surpreendente. Tive medo de pelo fato de ter vários personagens o autor não conseguir tornar todos marcantes, mas todos tiveram seu papel bem colocado e bem escrito, eu gostei muito. Bem, temos como personagens: Fefê, um playboy paulistano que vive torrando o dinheiro sem pensar no amanhã. É filho de Fernando e Marialva, dons da “Fernando Henriques Import & Export”. Ele é o caçula, é muito infantil, tímido de mais e seus encontros com os amigos só ocorrem porque ele é quem banca tudo. Enfim, é uma pessoa que vive a base do dinheiro, e com esse pensamento ambicioso ele acaba esquecendo e dando atenção á família. Donovan e Steinberg são investigadores do FBI, tem a médica Amina que acaba se envolvendo com Hafez um dos três (Ibrahim e Mohamed) extremistas religiosos que trabalham para a Al Qaeda. E tem Samira, uma jovem que sonha em ser modelo, e nesse caminho em busca de realizar o seu sonho ela acaba conhecendo Erik um homem muito mal e violento, e ela acaba se tornando sua escrava. No decorrer da história ela acaba se envolvendo com Fefê, para ajudar nos planos de Erik, porém ela acaba se apaixonando verdadeiramente por ele. A vida de todos se encontram no dia 11 de setembro de 2001, sim no dia do ataque terrorista ás Torres Gêmeas do World Trade Center. Quando eu li a sinopse eu achei que todos iriam ter um final justamente no dia 11, mas não, é justamente nesse dia que a vida de todos começa a se entrelaçar. Esse é um livro com uma boa narrativa, repleto de reviravoltas, e seus personagens têm finais bem surpreendentes. Leia assim que puderem!

Jaqueline Silva

nuaaecrua.blogspot.com

Onde Comprar?

Editora Nacional – www.ibep-nacional.com.br

Mais sobre o autor:

CC BY 4.0 Quinze Dias em Setembro by Jornalismo Colaborativo is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Sobre o Autor

Jornalismo Colaborativo

Principal site de Jornalismo Colaborativo, destaque no Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXIII / Prêmio Expocom 2016 e referência em startups de jornalismo na 300ª edição da Revista Imprensa em 2014.

OUTRAS PUBLICAÇÕES

Este site possui segurança certificada SiteLock

SiteLock