19 de junho, 2019

Agente da Transformação Social e Difusor do Conhecimento Científico

Hedonismo e amor na gastronomia

Hedonismo e amor na gastronomia

hedonismo-gastronomia-afrodisiacaO que pode ser mais romântico e erotizante do que um jantar a dois, à luz de velas e com uma música suave como fundo? E por que se dá, quase que automaticamente uma conotação de romantismo a esse tipo de cena?

A resposta é muito simples, remonta aos primórdios da civilização e está diretamente relacionada com o Instinto Básico Maior do homem, que é simplesmente sobreviver. O que é mais do que lógico!

A obrigação primária de qualquer ser vivo é permanecer vivo. Isso significa que ele precisa se alimentar e, em continuidade, manter a permanência de sua espécie na superfície do planeta, ou seja, ele precisa se reproduzir.

Ora, a Natureza é antes de tudo magnânima e assim, para premiar seus filhos pelo contínuo e permanente esforço na luta pela sobrevivência, fez com que os dois atos básicos que mantêm as espécies sobre a Terra, trouxessem alguma forma de prazer material, táctil, olfativo, visual e palatável.

Dessa maneira, o ato de comer e o ato sexual são considerados como sendo as duas atividades mais prazerosas da Natureza. O homem, além de ser um animal como todos os outros mamíferos da escala zoológica, recebeu o dom do raciocínio e uma formidável capacidade criativa.

Não é à toa que Eça de Queiroz diz, com muita sabedoria e propriedade, que o homem é um estômago em cima de um falo e Freud, talvez um pouco excessivamente radical, afirma que toda e qualquer atitude humana tem como objetivo final o sexo, ou seja, o ato sexual, incluindo-se aí até mesmo o ato de se alimentar, uma vez que instintivamente o homem sabe que precisa ter saúde e estar forte, para bem poder aproveitar as sensações que despertam em uma relação sexual.

Como tudo neste planeta, no correr dos milhões de anos desde o seu surgimento após o Grande Boom, o homem também evoluiu e, diga-se de passagem, muito mais rapidamente que qualquer outra espécie, justamente pelo fato de ser dotado de inteligência, raciocínio e criatividade.

Nessa evolução, o ser humano sempre teve como meta, além de simplesmente permanecer vivo, a busca da felicidade.

Entenda-se que, a um nível mais chão, mais materialista, o conceito de felicidade está intimamente ligado ao conceito hedonista e só pode se considerar feliz aquele que tenha a possibilidade de usufruir de alguma espécie de satisfação mais elevada.

Assim, era mesmo de se esperar que o homem insistisse tanto em transformar em algo agradável o que lhe era mais básico e mais necessário, ou seja, a alimentação. Criou, então, a culinária que é a arte de transformar alimentos brutos em refeições delicadas e que já pela própria apresentação, permitem a sensação de prazer.

Associar o prazer de comer ao prazer sexual, foi um passo muito curto e, no correr dos anos, à medida que foi se libertando de tabus e de preconceitos impostos principalmente pelas religiões, o ser humano foi aperfeiçoando essa relação íntima que existe entre a mesa e a cama, de tal maneira que hoje, no jogo da conquista amorosa, dificilmente se concebe uma separação entre essas duas fases.

Para ajudar homens e mulheres a alcançar mais facilmente o clímax, a culinária afrodisíaca dispõe de recursos capazes de verdadeiros milagres. O Vale Chef preparou especialmente algumas receitas que vão apimentar ainda mais a sua relação. Confira!

valechefPorco à Calígula

Omelete de Feiticeiras da Normandia

Leitoa Pururuca

Bom apetite!

CC BY 4.0 Hedonismo e amor na gastronomia by Jornalismo Colaborativo is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Sobre o Autor

Jornalismo Colaborativo

Principal site de Jornalismo Colaborativo, destaque no Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXIII / Prêmio Expocom 2016 e referência em startups de jornalismo na 300ª edição da Revista Imprensa em 2014.

OUTRAS PUBLICAÇÕES

Este site possui segurança certificada SiteLock

SiteLock