17 de outubro, 2017


Pensar com a cabeça e não com os pés

Parte I

Boa parte da população brasileira ainda continua pensando com os pés. Durante a preparação para a Copa Mundial, nos últimos quatro anos, as decisões políticas e as diferentes mídias deram um elevado destaque ao futebol.

Os craques eram notícias todos os dias. Marginaliza um, endeusa o outro e, no final um garoto magrinho e de olhos verdes foi levado a se responsabilizar pelas vitórias do time. Os sonhos de milhões de torcedores nas mãos de um único jogador. Era a Copa, um “copaço”!

Segundo o Felipão, o time estava pronto. Fariam milagre, se preciso fosse. Isto é pensar com os pés! A equipe não consegue pensar com a cabeça, mesmo com o apoio material e emocional dispensado pela CBF.

As eleições para Presidente do Brasil, dos Governadores, Senadores e Deputados Federais estão batendo às nossas portas. Já vê pelas avenidas e ruas o rosto dos postulantes.

Será que postulam um cargo? Ou ao poder? Você já se questionou se o seu candidato lhe representou de fato. Será que ele está ou não envolvido com a corrupção? Participou das sessões? Que projetos ele aprovou? Suas decisões favoreceram a população em geral e a pobreza em particular.

Pense com a cabeça! Melhorou ou não a vida dos mais pobres? É melhor levar esta população a pagar pela própria casa, conquistar sua geladeira, seu fogão, sua televisão, seus utensílios domésticos e adquirir seu carrinho, ou se manter presa ao assistencialismo?

Pense com a cabeça! Quem pode auxiliar na conquista de uma sociedade pacífica. A violenta guerra que o brasileiro enfrenta todos os dias e em todas as cidades: assaltos, roubos, agressões contra a mulher e as crianças, mães matando os próprios filhos, adolescentes matando uns aos outros, tem que ter uma trégua. Seu candidato tem manifestado um discurso e ações concretas direcionadas à diminuição da violência? Ou tem apenas discursado na TV e nas tribunas e a sua prática é uma boa garrafa de vinho ao custo de um salário mínimo, após cada discurso?

Pense com a cabeça! Não dê trégua. Combata cada candidato que não merece o voto do bom cidadão. Encontre o e-mail desse candidato e encha sua caixa com recados educados, mas firmes sobre a possibilidade dele não se candidatar.

Pense com a cabeça! Não permita que seu voto seja dirigido a um candidato que não o merece, que não votou em projetos de melhoria da vida humana; que mais faltou às sessões; que dormiu durante a apresentação de projetos necessários à vida social; que deixou a educação e a saúde no patamar em que se encontram.

Pense com a cabeça e deixe os pés para brincar de bola com as crianças. Elas e nós precisamos de uma sociedade melhor!

Parte II

É preciso estar alerta para os cenários políticos partidários que se apresentam. Diante da eleição cada um de nós precisa assumir sua responsabilidade. O futuro que se apresenta precisa de boas escolhas.

Lendo as notícias fica-se de frente com o inacreditável: segundo o IBOPE, o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (PR) lidera a corrida eleitoral ao governo do Distrito Federal, com 37% dos votos. A pesquisa foi realizada entre os dias 23 e 26 de agosto, junto a 1.204 eleitores. Isto é pensar com os pés.

Segundo a Folha de São Paulo, o Tribunal Superior Regional, manteve barrada a candidatura do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (PR), com base na Lei da Ficha Limpa. O candidato, ainda, pode recorrer e com certeza o fará.

Como cidadãos que querem um Brasil melhor podem devolver um mandato para este cidadão? A falta de informação causa enormes riscos, como a reeleição de um candidato com ficha suja. Qual será a contribuição deste senhor no caminho de um Brasil Melhor?

A informação é fundamental! A internet facilita a obtenção de notícias sobre os assuntos políticos, partidários ou não. É possível que pelas mais diversas razões muitas pessoas tenham dificuldade em usar a internet para tomar consciência, infelizmente. O acesso pode ser por meio dos debates realizados e das propagandas eleitorais pelo rádio e televisão. Não é um programa tão agradável, mas melhor que não ter informação. Tendo informação ou não, no mínimo usar o bom senso, após manter diálogos com colegas, amigos, vizinhos.

Numa reportagem anterior considerou-se fundamental se pensar com a cabeça. Reforça-se esta forma de pensar e em seu acréscimo usar as diversas inteligências que o ser humano possui, colocando-as a serviço da melhor escolha do seu representante.

As diferentes inteligências estão ao alcance. Cada um de nós é o único capaz de desenvolvê-las, para colocá-las a serviço do bem estar pessoal e da comunidade, diante das situações que se apresentam.
Bem, é melhor ir passo a passo. E o primeiro deles é buscar informações sobre os candidatos e suas participações na vida política, por alguma fonte. Esta ação demonstra bom senso e comprometimento com o Brasil, pois permite que você use a inteligência lógica.

A Inteligência Lógica se manifesta quando as pessoas possuem facilidade para memorização e para lidar com matemática e lógica em geral. Elas possuem visão rápida para a solução de problemas complexos, tendo a capacidade de dividir estes problemas em problemas menores e ir resolvendo-oe até chegar a resposta final. Normalmente são pessoas organizadas e com grande disciplina. É uma inteligência relacionada ao lado direito do cérebro.

Nas diferentes áreas das Ciências Sociais esta inteligência, que se funda nas características acima, parte da premissa da racionalidade econômica, da maximização dos resultados econômicos individuais e os resultados são avaliados em termos da rentabilidade ou prejuízo.

No curso das decisões maximiza-se a utilidade, ou seja, elas são tomadas baseando-se nas alternativas com valor mais alto. Qual o candidato que em sua opinião diminui os prejuízos sociais?

por Veriana Mosil

Somos mulheres que tratam da vida, do gostar e do acreditar que a vida é tecida ponto a ponto todos os dias. Na tessitura os fios são admirados e dão sentido para a existência humana. É tecida pelos fios do amor, solidariedade, aceitação, e pelos fios da tragédia composta por sucessões, alternâncias e alteridades. É preciso paciência, entregas e renúncias, partidas e recomeços, altos e baixos. Dialogue conosco e se comprometa a tecer uma vida com sentido. Teçam VITAM conosco!

CC BY 4.0 Pensar com a cabeça e não com os pés by Veriana Mosil is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Sobre o Autor

OUTRAS PUBLICAÇÕES