24 de junho, 2019

Agente da Transformação Social e Difusor do Conhecimento Científico

Pugnam contra hostes invisibiles

Pugnam contra hostes invisibiles

Minha Luta contra os meus inimigos invisíveis

Depressão é um distúrbio mental perceptível pela perda de empatia com os costumes do cotidiano, prejudicando significativamente o dia a dia, simplificando, depressão é um desequilíbrio mental.

O tratamento é intenso e diário, não tem uma medicamento específico para acabar ou pelo menos amenizar o mal-estar.

O distúrbio não escolhe, idade, classe social, credo ou raça. Porém, muitos fatores ajudam diretamente no desencadeamento do desequilíbrio.

Alguns traços perceptíveis da pessoa, como baixa autoestima, autocrítica e pessimismo;

Também traumas e estresse, abuso sexual, casos de morte, problemas de relacionamentos e situações com alto grau de dificuldade.

Traumas de infância, parentes que tem histórico de depressão, bipolaridade, uso de drogas e álcool ou até mesmo suicídio.

Sexualidade com casos de bullying por parentes ou amigos ou ambiente de trabalho e escolar.

Histórico de outros distúrbios da saúde mentais.

Excesso de medicamentos, doenças crônicas.

Até mesmo uso de determinados medicamentos, como de hipertensão ou comprimidos para ansiedade e moderadores de humor.

Meu relato pessoal

Fiz de tudo para amenizar aquela força destrutiva que agia misteriosamente sobre mim. Tentei me anestesiar com drogas (diversas), bebidas (em demasia), baladas ( até o dia clarear), escrevia poemas (fúnebres em grande parte), assistia filmes (melancólicos) e lia livros que me identificava, na grande maioria com temas tristes e sombrios. Tentei fazer parte de algumas religiões, a psicologia também foi uma das apostas que fiz, mas não surtiu resultado, nada e ninguém parecia poder me ajudar, nada era capaz de devolver meu prazer em viver, a não ser as drogas.

Para mim, viver era como um fardo pesado e constante, um castigo que tinha que experimentar todos os dias sem trégua. Sentia-me submerso em algo muito maior e horrível, como se estivesse acorrentado embaixo d’água em um enorme oceano de solidão, e ninguém conseguia me ver para me socorrer ou apenas me observar sofrendo.

Muita gente fala sobre a depressão e seus sintomas, sem conhecimento de causa, mas a sensação de sentir-se aprisionado dentre desses sintomas é devastadora. Tudo fica bagunçado dentro e fora de você, uma mente descontrolada, como uma carreta sem freios. É como se muitas coisas estivessem acontecendo dentro de você e você não tem qualquer controle, totalmente diferente de todas as outras vezes em sua vida que você se sentiu triste e conseguiu fazer algo a respeito para melhorar sua autoestima.

Depressão é diferente é profunda, é muito mais que tristeza, melancolia, mal estar. Bem mais, muito mais do que o imaginável.

Você desperta um dia e, sem motivo aparente, e sua mente gira em torno de respostas e ajuda. Pouco tempo depois, você se sente mal por não saber lidar com a situação aí entra os subterfúgios, drogas em sua grande maioria, antidepressivos, moderadores de humor e por aí vai.

Existe um fantasma persistente o da insônia, onde, Sem motivo você se sente pego pela falta de sono e isso dia após dia ininterruptamente, sofrendo com pensamentos ruins que te surgem na mente. Deixando tão cansado de uma batalha interminável que ficar deitado com as luzes apagadas o dia inteiro, parece ser a única coisa certa que você é capaz de fazer para recuperar-se.

O descuido com a higiene pessoal é outro sintoma que me assolava. Levantar-se da cama para ir até o banheiro torna-se uma grande jornada para o deprimido, pensar em tomar banho então, nem se fala. O corpo fica pesado, e você realmente se sente tão indisposto a ponto de não conseguir ficar15 minutos em pé para ensaboar o corpo ou passar shampoo nos cabelos.

A cada tarefa simples, por menor que seja você sente que não dará conta, é cansativo demais.

Muitas vezes pedi socorro em silêncio, pois eu não estava sentindo nada!

O paladar não é mais o mesmo, a vida parece amarga e cinzenta e os belos dias de sol com o barulho das pessoas que passam pela rua contrastam violentamente com o que você está sentindo, um mar de frustração e desalinho com tudo e todos. Isso faz você lembrar-se de que não tendo controle algum sobre seu corpo e muito menos de sua triste vida.

Muita gente tentou me auxiliar, me incentivaram a fazer trocentas mil coisas que assistiram pela TV ou acharam na web, esportes, hobbies, meditação, viagens, cursos de auto ajuda, sempre com as melhores das intenções, mas tudo totalmente ineficaz.

Eles imaginam ser algo simples de se resolver, e isso só me faz sentir-me pior. Tantas sugestões e eu lutando para fazer pelo menos o mínimo, o básico, aquilo que é esperado com o menor dos esforços. Esse quadro de depressão perdurou muitos e muitos anos para passar.

Até que pedi ajuda “verbalmente”, com todas as letras, implorando, pois não aguentava mais.

Hoje após muita luta e um tratamento intensivo em uma clínica especializada, já consigo levar melhor minha vida de maneira simples, vivendo uma dia de cada vez, sem criar expectativas, sem tantos percalços, de forma mais alegre e moderada. Porém, por um bom tempo, fui dominado por um sentimento de apatia, não sentia nem tristeza nem alegria só um vazio angustiante.

Nada parecia importar tanto e ouvia com frequência uma música do Titãns que reforçava bem o que eu vinha sentindo:

“Será que eu falei o que ninguém ouvia?

Será que eu escutei o que ninguém dizia?

Eu não vou me adaptar me adaptar”.

Após esse longo período hoje vivo de maneira plena e feliz como sou. Aprendi que eu sou a pessoa mais importante, e que para amar alguém eu tenho o dever de me amar primeiro.

Demorei muitos anos para procurar bons profissionais e compreender a necessidade do tratamento multidisciplinar adequado, psicólogo, psicoterapeuta, psiquiatra e uma religião de minha escolha ao qual eu consegui me adequar.

Faço acompanhamento com meu médico psicoterapeuta periodicamente e sigo firme no propósito de minha recuperação, nos momentos bons e ruins, pois a vida é assim.

Hoje estou em tratamento e também um período sem sentir qualquer mal-estar, crise de abstinência ou traços de depressão, a sobrecarga emocional da perda de um ente amado e o estresse do cotidiano da vida afetiva e profissional, contribuíram para a manifestação da depressão.

Totalmente diferentemente do que grande parte das pessoas imagina, dependência química de medicamentos e drogas é sim uma doença, Classificação na estatística internacional de doenças e problemas relacionados com a Saúde da OMS (Organização Mundial de Saúde) — CID-10/F19 -, frequentemente designada pela sigla CID ou ICD fornece códigos relativos à classificação de doenças.

O tratamento é longo, e a base é a boa vontade, e mesmo estando em acompanhamento, alguns dias é muito difícil levantar, cumprir minhas obrigações e me esforçar para que tudo pareça o mais normal possível, sem muitos prejuízos.

Não culpe alguém por estar com depressão, não julgue! Depressão é uma doença, e seu tratamento depende de muito investimento e, principalmente, de muita compreensão por parte das pessoas que estão ao redor. Só assim se torna possível.

—— Relato Real de Edmundo Paschoal ——


Algumas considerações sobre a depressão (Fonte: Broadcast)

Segundo dados recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão afeta 322 milhões de pessoas no mundo. Em dez anos, de 2005 a 2015, esse número cresceu 18,4%. E esse total, que representa cerca de 5% da população mundial, só deve aumentar com o tempo, fazendo com que a doença se torne a segunda maior preocupação em termos de saúde pública no planeta.

Quando nos voltamos ao Brasil, temos 5,8% da população sofrendo de depressão, ou seja, um total de 11,5 milhões de brasileiros. Ainda de acordo com a OMS, entre os países da América Latina, o Brasil é o que possui maior número de pessoas em depressão.

“São números assustadores e, ainda sim, nos deparamos com muito preconceito disseminado culturalmente. Por exemplo, é comum ouvir pessoas dizendo que depressão não é doença e, sim, frescura; que para ficar bom é só ter força de vontade; que para se ajudar tem que sair de casa; entre tantas outras falácias do mundo pós-moderno”, explica a psicóloga e neuropsicóloga Elaine Di Sarno.

Tratamento “A depressão já é a maior causa de piora da saúde e incapacitação no mundo, e está crescendo”, ressalta Teng Chei Tung, médico doutor em Psiquiatria pela Universidade de São Paulo (USP). De acordo com a OMS, apenas metade das pessoas com quadros depressivos trata a doença, seja com sessões de terapia — em casos considerados leves — ou com uso de medicamentos destinados à doença — em situações moderadas e graves.

TMJ!!!

CC BY 4.0 Pugnam contra hostes invisibiles by Edmundo Paschoal Paschoal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Sobre o Autor

Edmundo Paschoal Paschoal

Jornalista & Cronista. Apaixonado pela arte da comunicação, crítico e analítico por natureza.

OUTRAS PUBLICAÇÕES

Este site possui segurança certificada SiteLock

SiteLock