17 de outubro, 2017


Serão os humanos substituídos por máquinas?

humanos-maquinas

Um estudo da famosa universidade de Oxford diz que sim, os homens serão substituídos por máquinas. Segundo dois pesquisadores envolvidos no projeto, 47% dos trabalhos já podem ser perfeitamente substituídos por máquinas. Em outras palavras, essas profissões já podem ser extintas.

Entre as possíveis futuras profissões extintas estão: Operador de telemarketing, pesquisador de documentos, costureira, técnico matemático, corretor de seguros, empacotador, fiscal, revelador de fotos, contador, bibliotecário e técnico de entrada de dados.

A era dos smartphones só alavanca a questão. Não param de surgir aplicativos que prometem vantagens para empresários economizarem nos seus custos. É o caso so Cezanne On Demand, desenvolvido por uma empresa de gestão de recursos humanos. A ferramenta executa tarefas de funcionários de departamentos de recursos humanos como: registrar informações com detalhes pessoais, informação profissional, histórico de carreira, competências e qualificações, salário e benefícios, ausências e férias, ações disciplinares, formação, relatórios de compensação dos funcionários da corporação.

Outro aplicativo que impressiona é o BizExpense. Ele é um contador eletrônico, capaz de controlar as finanças de uma empresa. Através dele, é possível organizar utilizando categorias e subcategorias e gráficos os gastos da corporação. Ele ainda escaneia recibos e exporta os dados para planilhas no Excel.

Como você pode ver, a tecnologia está cada vez mais próxima da habilidade humana. Mas, cá entre nós, ela nunca superará nossa habilidade de raciocínio.

Se você conhece mais algum aplicativo genial, mande para nós!

Texto cedido por Daniel Delfino.

CC BY 4.0 Serão os humanos substituídos por máquinas? by Jornalismo Colaborativo is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Sobre o Autor

Jornalismo Colaborativo

Principal site de Jornalismo Colaborativo, destaque no Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXIII / Prêmio Expocom 2016 e referência em startups de jornalismo na 300ª edição da Revista Imprensa em 2014.

OUTRAS PUBLICAÇÕES