Header ad
Header ad
Header ad
Sobre como podemos ser mais humanos

Sobre como podemos ser mais humanos

Nota do Editor

  • Em sua palestra, o professor Paulo reforça o poder das palavras. Segundo ele, contar histórias faz parte da essência do ser humano, independente da cultura. Algo que deve ser cultivado, preservado e valorizado.

Sobre como podemos ser mais humanos

Inspirado no TED Talks, o ICBEU Centro Binacional reconhecido oficialmente pela Embaixada dos Estados Unidos, apresentou algumas palestras com o objetivo central de mostrar ao público o poder de refletir, conversar e se conectar com novas ideias.

Há duas décadas atuando como professor de Inglês e há cinco anos no ICBEU, Paulo Miguel Chaddad de Carvalho foi um dos destaques principais do evento, realizado na noite do dia 6 de dezembro (2019).

Como Ser Humano

Paulo Miguel Chaddad Professor de InglêsAos 43 anos, e apesar de dar aulas para seis turmas e ainda administrar o tempo com os estudos e a  família, em sua palestra, Paulo explica como é possível aproveitar a vida com qualidade e de um modo mais consciente.

Aliás, consciência e família são dois aspectos muito importantes que ele aponta como sendo fundamentais para a felicidade.

“Tudo que eu faço é para poder ficar com minha família. Todo o sacrifício e tempo que dedico no trabalho é pelo bem da minha família. Às vezes a gente tem que fazer sacrifícios. Nem sempre é possível ir aos restaurantes, fazer viagens longas, e sim fazer viagens curtas. Tudo isso são decisões conscientes que minha esposa e eu fazemos. Esse tempo junto com a família é muito mais importante. A gente quer oferecer as melhores oportunidades aos nossos filhos mas também queremos oferecer oportunidades para que estejamos presentes na vida deles.”

Em sua palestra, o professor Paulo reforça o poder das palavras. Segundo ele, as historias fazem parte de algo primordial do ser humano, desde quando ele conseguiu se comunicar. “Contar histórias é místico e mágico por si só, é um momento de ligação e de união com as pessoas. Faz parte da essência do ser humano, independente da cultura. O contar historias tem que ser cultivado, preservado, valorizado. É algo que os pais fazem para os filhos e eles escutam e criam vínculos para a vida toda.”

Ted Paulo Chaddad

Depois de emocionar diversos alunos, pais e outros professores que tiveram a chance de participar do evento, perguntamos se ele teria mais alguma mensagem para acrescentar aos jovens.

Rebeldia

“Eu diria que eles sejam rebeldes. Ser rebelde não é ser revoltado. Não é ser do contra ou se fechar para a opinião dos outros. Ser rebelde é não aceitar os rótulos que eles dão ‘pra gente’. Do tipo: jovens não se interessam por nada. A gente está numa época de muita violência e de muito extremismo, querendo lutar contra violência, mas usando a violência também. Então, ser rebele com dois extremos. Com equilíbrio e calma. Você não acaba com a violência matando. Precisa ser de uma maneira diferente do que estão vendendo para as pessoas. Isso é rebelar. É se libertarem das amarras que são impostas à vocês. Sempre fazendo de um modo que ajude as pessoas. Você tem que tentar achar esse equilíbrio, porque é a  maneira que a natureza viveu até o ser humano desequilibrar as coisas. Rebele-se sobre os rótulos. Rebele-se contra a violência, a tristeza, a depressão e as ideias que são difundidas hoje em dia. Não é só porque todo mundo fala que você tem que aceitar. Mas você não precisa fazer isso atacando. Faça isso ajudando, cooperando, porque essa é melhor rebeldia que existe. A rebeldia dos jovens que ainda tem amor e energia. E a ingenuidade boa para poder ver que as coisas não precisam ser só de um jeito.”

Não sejam produtos, sejam pessoas.

“Outra coisa que eu diria para os jovens é que sejam pessoas. Não sejam produtos. Atualmente a gente vive nesse consumismo desenfreado. Se você dedica muito do seu tempo na rede social simplesmente para ter o máximo de curtida, esse tempo que você fica gastando, o impede de se relacionar com sua família, amigos e estudos. Ficam controlando sua cabeça em trocar de celular, comprar roupas e você vira um produto. Afinal, as empresas estão lucrando com você. E eles não se importam qual será o tipo de impacto negativo que terá na sua vida, nos seus sentimentos e nas sua relações. Então, é muito importante a gente ter consciência de não sermos produtos, mas sim pessoas. Transforme o tempo nas redes sociais em ajudar pessoas, ações que vão melhorar o mundo, a sua cidade. Compre de maneira consciente. Façam a diferença no mundo. Mostre respeito, tolerância, paciência e que você se dispõe a ajudar as pessoas que precisam de uma força. Só de ouvir alguém, já está fazendo a diferença na vida do outro. Você deixa de ser produto e passa ser matéria prima para ajudar o mundo a viver e seguir em frente, oferecendo oportunidades iguais às pessoas menos favorecidas.”

Embora, tenha nascido em São Paulo e se formado em Ciências da Computação, Paulo viveu sua infância em São José dos Campos e mesmo tendo morado e viajado em diversos lugares no mundo todo, é nessa cidade que ele decidiu criar raízes.

Com pós-graduação como tradutor e cursando faculdade de Pedagogia, ele não se arrepende de ter mudado de área, entre exatas e humanas. Muito pelo contrário. Ao fazer escolhas diferentes e encarar novos desafios que finalmente pode encontrar a realização profissional e o reconhecimento das pessoas, em especial, os seus alunos.

ICBEU

“Trabalhar no ICBEU é uma coisa que eu levo muito a sério e tenho muito orgulho disso, porque é uma empresa que atua na área há mais de quarenta anos. É uma empresa muito bem estruturada, tanto na parte acadêmica, quanto na parte corporativa. Algo que eu acho muito legal no ICBEU como empresa é o interesse no funcionário há longo prazo, onde há um investimento e dedicação com os funcionários para que eles permaneçam na empresa por vários anos. Investem em treinamento constante em preparação. É, portanto, uma empresa que se importa muito com as pessoas. Na parte acadêmica, busca excelência através de ótimos professores, sempre oferecendo oportunidades de crescimento e buscando pessoas de fora para oferecer especializações ou então pessoas que estão dentro do ICBEU para fazer formação permanente.

Mas uma coisa que eu gosto muito no ICBEU e que aprendi, principalmente neste último evento TED Eve, inspirado nas palestras do TED que a gente organizou, é que temos pessoas excelentes em todas as áreas: acadêmica, administrativas, comercial… pessoas que dominam o seu departamento com toda a sua capacidade. Para organizar o evento TED Eve, envolveu vários setores. Começou com alguns professores, com ajuda da parte comercial, da parte de eventos, alimentação, infraestrutura e tecnologia. Foi realmente uma satisfação ver como tem gente competente em todas as áreas para ajudar a formar essa escola de idiomas em ser tão sólida”

Ao reconhecer a importância dos diversos programas organizados de forma independente pelo TED, como o TEDx, o ICBEU Centro Binacional, em São José dos Campos, traz essa experiência para os alunos matriculados nos cursos de idiomas.

No TEDEd Club do ICBEU, a proposta é transformar ideias em apresentações que desenvolvam o idioma, além de possibilitar o contato com estudantes internacionais.

O ICBEU é também a única instituição de ensino do Vale do Paraíba credenciada pela Universidade de Michigan como centro de testes para os exames de competência (ECCE) e proficiência (ECPE) da universidade. Desde 2010, o ICBEU passou a ser um Centro Autorizado pela ETS para aplicar o Exame do TOEFL iBT e iTP.


Sobre como podemos ser mais humanos

CC BY 4.0 Sobre como podemos ser mais humanos by Jornalismo Colaborativo is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Principal site de Jornalismo Colaborativo, destaque no Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXIII / Prêmio Expocom 2016 e referência em startups de jornalismo na 300ª edição da Revista Imprensa em 2014.

Outras Publicações

SiteLock